(51) 3338 0220
missel@missel.com.br

GERENCIAR INCERTEZAS: HABILIDADE ESSENCIAL DAS LIDERANÇAS

Por Ricardo Missel*

Estamos cada vez mais acostumados a lidar com incertezas, situações imprevistas e necessidades de mudança de plano. Afinal, como um recente ditado já diz: “A vida não tá ‘nem aí’ para o nosso planejamento”. E isso também se aplica ao mundo dos negócios.

Essa realidade se amplia ainda mais quando estamos em um cenário de crise global, independente dos aspectos mais atingidos durante a crise: econômico, social, saúde, político e, na verdade, a inter relação destes em nossas vidas. Não temos muito como separar aspectos políticos de aspectos econômicos, e aí por diante. Vivemos em uma teia de conexões onde a força da incerteza atua a todo momento.

Entretanto, o melhor de tudo é que esse contexto de incerteza passou a ser visto como um ambiente de oportunidades. Identificar espaço para desenvolver novas ideias, pesquisas e testar novas realidades é o que desperta nas pessoas mais preparadas um interesse pela ambiguidade, que é fruto das incertezas. Daí nascem algumas novas áreas de estudos como o Design Estratégico e Data Analytics.

Para administrar um cenário constante de incertezas e conseguir gerenciá-lo, é fundamental que os líderes das empresas estejam preparados para atuar dentro desse contexto. Coordenar os esforços dos recursos humanos que, em sua maioria, são resistentes às mudanças por instinto, exige que algumas habilidades sejam adquiridas para o desenvolvimento de um perfil comportamental que responda com agilidade e precisão as demandas. Afinal, não basta que o líder consiga administrar todas as variáveis de um ambiente complexo e incerto. É necessário que ele saiba conduzir a equipe pelos caminhos de aprendizado que um ambiente de incertezas pode promover.

Para isso, definimos cinco pontos fundamentais para que os líderes consigam fazer a gestão da incerteza com suas equipes.

1 – Seja um otimista realista

De nada adianta “prever o apocalipse” ou não encarar o problema “de frente”. A melhor postura possível passa por um processo de entendimento do contexto e das causas e efeitos da crise para evoluir para o desenho de cenários. Antes de tudo precisamos diferenciar o simples do complicado, do complexo e do caótico (Cynefin). Durante esse trajeto, seja otimista sobre a possibilidade de alcançar a solução ideal, sem pressa para isso. As pessoas precisam ver que o líder enxerga a “luz no fim do túnel”, por mais apagada que ela esteja, e que durante o processo ele está motivado e motivando.

2 – Crie um ambiente de confiança

Por mais que as notícias e resultados sejam ruins, não omita a verdade. Confiança será uma das moedas mais preciosas durante um processo de incerteza. As pessoas precisam saber que o líder é verdadeiro e suas mensagens refletem a realidade do momento. Solucione as dúvidas e permita que as pessoas também manifestem suas opiniões.

3 – Encare as mudanças como parte do processo

Todos estarão com um plano da ação bem definido e, quando menos se espera, as coisas podem mudar. Encarar essa possibilidade como real e provável é fundamental. Vivemos períodos de volatilidade onde a cada instante as regras do jogo podem mudar. Isso não exime a necessidade de se planejar. Por isso, as ferramentas de elaboração de cenários têm sido tão utilizadas pelas organizações para definir os rumos estratégicos dos negócios.

4 – Dê feedback

A insegurança das pessoas em relação ao próprio desempenho fica ainda mais evidente em contextos de grande incerteza. É ainda mais difícil mensurar o resultado de uma ação que pode não dar resultados imediatos. Crie conversas frequentes de feedback formal e informal com as pessoas, individual e em grupo, com objetivo de orientá-las em relação ao desempenho e corrigir possíveis desvios de rota.

5 – Assuma o que não sabe, mas tenha por perto quem sabe

Como líder, você tem a responsabilidade de tomar a decisão, mas não precisa ter todas as respostas para isso. Assuma quando alguém da equipe tem habilidade para contribuir mais do que você em determinado aspecto. Ao contrário do que se pensa sobre “mostrar fraqueza”, atitudes de humildade e reconhecimento sobre o conhecimento das pessoas geram a confiança do time sobre o real interesse do líder em achar a solução e alcançar os resultados.

*Ricardo Missel é sócio da Missel Capacitação Empresarial, Administrador e Especialista em Design Estratégico.



Voltar